quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Alguns conceitos iniciais

Olá a todos.

Apesar de já haverem algumas postagens aqui no blog, a que estou publicando agora pode ser considerada como a primeira mais dedicada à divulgação da temática que estamos pesquisando (geodiversidade, geoconservação e geoturismo). Como é uma temática nova em nossa região, é necessário que se entendam os conceitos básicos que a norteiam, sendo esse o objetivo dessa postagem.

  • Geodiversidade:
É a variedade natural de aspectos geológicos (minerais, rochas e fósseis), geomorfológicos (formas de relevo, processos) e do solo, incluindo suas coleções, relações, propriedades, interpretações e sistemas (GRAY, 2004). Os locais de interesse geológico, bem delimitados espacialmente e que apresentem algum elemento da geodiversidade com especial valor científico, didático, cultural, econômico, turístico ou outros, são conhecidos por geossítios, sendo que o conjunto de geossítios inventariados, caracterizados e que devam ser conservados, denomina-se patrimônio geológico (BRILHA, 2005).

  • Geoconservação:
Tem por objetivo preservar a diversidade natural de significativos aspectos e processos geológicos, geomorfológicos e de solo, pela manutenção da evolução natural desses aspectos e processos (SHARPLES, 1995;2002 apud NASCIMENTO, 2008).
  • Geoturismo:
Pode ser considerado como uma especialização do ecoturismo, corroborando com o que apresentam Dowling e Newsome (2006) apud Nascimento, Schobbenhaus e Medina (2008) quando consideram o geoturismo como subsegmento do ecoturismo. Hose (2000), define o geoturismo como “a provisão de facilidades interpretativas e serviços para promover o valor e os benefícios sociais de lugares e materiais geológicos e geomorfológicos, assegurando sua conservação, para uso de estudantes, turistas e outras pessoas com interesses reacreativos ou lazer”.
A base de desenvolvimento do geoturismo é a valorização do patrimônio geológico como principal atrativo turístico, exercendo suporte para atividades de educação ambiental (interpretação) e divulgação desse patrimônio para a população e para os visitantes. Portanto, o alvo das visitações deve ser o conhecimento e entendimento dos processos envolvidos na formação dos geossítios e estas visitações devem estar apoiadas em princípios ambientais de sustentabilidade (geoconservação).


Espero que estas informações possam servir de pontapé inicial e de estímulo para o desenvolvimento de pesquisas nessa área, ainda tão carente de trabalhos aqui em nosso país. Nas próximas postagens vamos apresentar o que a Paraíba tem de mais valioso no que diz respeito à geodiversidade e continuar debatendo sobre o tema.

Abraços a todos e até a próxima.

REFERÊNCIAS:

BRILHA, J.B.R. Patrimônio Geológico e Geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Palimage Editora, 190p. 2005.

GRAY, M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. John Wiley & Sons Ltd. Londres, 434p. 2004.

HOSE, T. A. et al. European Geotourism: geological interpretation and geoconservation promotion for tourist. Ed. Geological Heritage: Its Conservation and Management, Sociedad Geologica de España/ Instituto Technologico GeoMinero de España/ ProGeo, Madri, 2000.

NASCIMENTO, M.A.L; SCHOBBENHAUS, C.; MEDINA, A.I.M. Patrimônio Geológico: Turismo Sustentável. In: SILVA, C.R. (editor). Geodiversidade do Brasil, Rio de Janeiro: CPRM. P. 135-162. 2008.

NASCIMENTO, M.A.L; RUCHKYS, U.A.; MANTESSO-NETO, V. Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. São Paulo, Sociedade Brasileira de Geologia. 84p. 2008.

Um comentário:

  1. Fábio Alberto- IFPB24 de fevereiro de 2011 14:32

    Temática interessante,principalmente no momento em que o país está prestes a receber eventos internacionais,e o turismo paraibano necessita redefinir os seus roteiros turísticos, de modo que venha a incluir "novos" geossítios.

    ResponderExcluir